SELFIE, SELFIE MEU


16 de julho de 2018  Cultura

Considerado por muita gente um hábito narcisista, tirar foto de si mesmo seja com uma câmera fotográfica convencional ou com um smartphone parece uma tendência que veio para ficar nas redes sociais. Depois do famoso selfie que o ator Bradley Cooper tirou na noite do Oscar, derrubando temporariamente o Twitter, com o recorde de mais de 2,5 milhões de retweetsselfie, sem dúvida, se tornou palavra corriqueira no nosso vocabulário.

Aliás, essa já era uma tendência anterior à foto em que aparecem também Meryl Streep, Julia Roberts, Lupita Nyong’o, Jennifer Lawrence, Ellen Degeneres, Angelina Jolie, Brad Pitt e Kevin Spacey, como mostra o Oxford English Dictionary, que elegeu selfie “a palavra do ano” em 2013. Mas afinal, o que o selfie pode revelar sobre o autorretratado?

O projeto SelfieCity funciona na linha “mostre-me teu selfie e te direi quem és”. O objetivo é descobrir traços culturais de uma cidade e o comportamento de seus moradores analisando esse tipo de foto. A equipe do SelfieCity coletou, ao todo, 656 mil fotos do Instagram vindas das cidades de Nova York, Bangkok, Moscou, Berlim e São Paulo, tiradas em dezembro de 2013.

Deste total, foram selecionados apenas os selfies, algo em torno de 3 mil fotos. Depois de analisar dados como a inclinação da câmera na hora do clique e se os retratados sorriem ou não, o levantamento chegou a algumas conclusões curiosas. Por exemplo:


O selfie de todos os selfies

Mulheres tiram mais selfies que os homens – Em todas as cidades analisadas, o número de mulheres que se fotografam é maior que o de homens. Em Moscou, na Rússia, essa proporção chega a 82%. A cidade onde o índice de homens e mulheres é mais próximo é Bangkok, na Tailândia, com 55%. No Brasil, a cidade escolhida foi São Paulo, onde as mulheres chegam a 65%.

Elas são mais ousadas – Segundo a pesquisa, as mulheres tendem a tirar fotos mais sensuais do que os homens. Em São Paulo, a tendência é ainda mais acentuada: as paulistanas querem enquadrar não só seus rostos, mas também seus corpos nos selfies.

A maior parte dos selfies é feita por jovens – Eles têm em média 23 anos. Em Bankcok, são mais novos, 21 anos. Já em Nova York, mais velhos, 25 anos.

Os mais sorridentes estão em São Paulo – Os moradores de Sampa só perdem em sorriso para o pessoal simpático de Bangkok.

Os menos sorridentes estão em Moscou – Junto com os moscovitas, no quesito cara séria os moradores de Berlim estão ali, ali.

Fonte: Bayer Jovens


Deixe o seu comentário!