O DJ e o Mercado de Trabalho


17 de junho de 2019  Sem categoria

A figura do DJ vem ganhando cada vez mais espaço nos últimos anos, tanto em eventos realizados em casas noturnas como também em outros eventos em geral, como festas e casamentos. O DJ não é mais um simples amante da música ou colecionador de discos, pois esse profissional assumiu também o papel de lançador de tendências, músicas e também moda. Levando isso em conta, é essencial saber como anda o mercado de trabalho para DJ. É comum que muitas empresas aliem o seu nome ao de um DJ ou evento de música eletrônica, com o intuito de agregar valor à marca. Entretanto, quem quer saber como anda o mercado de trabalho para DJ pode ficar otimista: o mercado para DJs não para de crescer no Brasil e no mundo.

O DJ brasileiro é cada vez mais respeitado no exterior por causa da nossa herança musical e multicultural, o que possibilita o desenvolvimento de trabalhos diferenciados, criativos e originais. Atuar como DJ também se tornou uma função bastante concorrida, já que apesar de trabalhar na noite ser o desejo de muita gente, para conseguir o seu lugar no mercado é preciso investir na carreira, em bons equipamentos e muita dedicação.

Com o passar do tempo e o desenvolvimento da tecnologia, os equipamentos para trabalhar com música eletrônica ficaram mais sofisticados. A prática era mais complicada antigamente, pois era necessário tocar com vinil, e os equipamentos eram encontrados somente em São Paulo ou por importação. Atualmente, há várias opções, como MP3, rádio, e principalmente a internet. Quando lançam uma música na Europa, por exemplo, já é possível tocar no Brasil também instantaneamente.

Além do fácil acesso às músicas, as casas noturnas são obrigadas a proporcionar aos DJs os equipamentos necessários para suas apresentações. Por causa dessa facilidade de acesso e do controle dos equipamentos, a concorrência da profissão no mercado de trabalho aumentou.

Em janeiro de 2009 foi aprovada a lei que regulamenta a profissão de DJ na categoria de Artistas e Técnicos em Espetáculos e Diversão. De acordo com o projeto, para obter o registro profissional de DJ, válido em todo território nacional, é preciso apresentar junto à Delegacia Regional do Trabalho do Ministério do Trabalho o diploma de curso profissionalizante reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC) ou pelo sindicato da categoria. Também existe a possibilidade de apresentar o atestado de capacitação profissional fornecido pelo sindicato da categoria. Os DJs estrangeiros são dispensados dessas exigências, desde que permaneçam até o máximo de 60 dias no Brasil.

Apesar do grande acesso à informação, muita gente ainda acredita que o profissional que comanda os equipamentos de som só precisa apertar ao play,mas não é bem assim. Comandar equipamentos de som, atrair todos os olhares e entreter a pista de dança parece pura diversão, porém, é preciso muito mais que isso. Para se tornar um bom DJ e chegar a tal ponto, deve-se ter paciência, curiosidade e investir em qualificação e equipamentos.

Ao conhecer o mercado de trabalho para DJ, é mais fácil ter sucesso na cena de e-music.

Foto: DJ @djbobguima


Deixe o seu comentário!