Cultura

Estrelinhas Gêmeas Univitelinas: Sucesso em dose dupla e idênticas!

Modelo: Gêmeas Univitelinas Julia e Lavinia Nishida

Olhar para outra pessoa e ver que é sua cópia! Elas  são chamadas de irmãs univitelinas.  Isso ocorre porque quando há uma única fecundação,  formação de uma célula, que se chama zigoto que se divide e da origem a dois zigotos e forma duas pessoas independentes, porém muito parecidas.

Acima vimos na imagem duas mini modelos Gêmeas Univitelinas lindas, que esperamos terem muito sucesso, igualmente as Gêmeas  que iremos citar na matéria, que vocês já devem conhecer devido a fama positiva e a carreira de sucesso ao longos dos anos, e que também começaram muito cedo.

As gêmeas Olsen iniciaram sua carreira de atrizes aos 9 meses de idade na série de televisão Full House, na qual se revezavam no papel da Michelle Tanner. Como os produtores não queriam que os telespectadores soubessem que o papel era feito por gêmeas, as irmãs foram, inicialmente, creditadas como “Mary Kate Ashley Olsen”, só mais tarde foram creditadas separadamente. O programa foi muito popular no mundo todo nos anos 80 e no começo dos anos 90.

Logo após o fim da série, elas atuaram em mais duas séries de televisão, “Dose Dupla”, em 1998/1999, e “Gêmeas em Apuros”, em 2001/2002, e inúmeros filmes foram produzidos por sua própria empresa, a Dualstar, além de um desenho animado intitulado “Mary-Kate and Ashley in Action”. Atraíram milhares de crianças e adolescentes no mundo, e tiveram seus nomes e imagens estampados em roupas, perfumes, revistas, posteres, filmes, vídeo-games, série de livros etc.

Em 2004, as gêmeas atuaram no seu último trabalho juntas, o filme “No Pique de Nova York”, em seguida surpreenderam ao anunciarem que iriam entrar para a faculdade depois de terminarem o secundário e, com isso, ficariam um tempo de fora da TV. A maioria dos jovens atores escolhem atuar em tempo integral depois do secundário, poucos continuam os estudos, (é o caso de Brooke Shields, Jodie Foster, e Natalie Portman, por exemplo). Ambas estudaram na New York University no Gallatin School of Individualized Study, até que Mary-Kate deixou a universidade e voltou para California. Ela decidiu ficar na Costa Oeste e procurar trabalho individual com sua empresa, a DualStar;

matéria: https://pt.wikipedia.org/wiki/Mary-Kate_e_Ashley_Olsen

 


Artista kids: Brincadeira ou profissionalismo?

Foto: Modelo EMILY VITÓRIA

Confuso pensar que uma criança pode ser considerada um profissional sendo ainda muito pequena, mas sim, artista mirim é profissão.
Por de trás da atuação de uma criança, seja em uma novela, filme, jobs publicitários entre outros, conta-se com um investimento muito grande e vários profissionais envolvidos, não podendo então ser considerado uma bricadeira e sim profissionalismo com grande seriedade e responsabilidade, sendo assim  exigidos dos responsáveis legais da criança a seriedade e direcionamento do seu pequeno talento, exigências como: pontualidade, documentos em ordem, postura, bom comportamento, disciplina, entre outras atitudes que  influencie de forma positiva a construção de uma carreira artística saudável  fazendo que para aquele pequeno talento venha ser leve e sim divertido, pois a fase deles tem que ser respitada e ainda é muito lúdica.

 

 

 

 

 


Melhor idade para Talentos Mirins

Sabemos que os pequenos passam por várias fases e modificações ao decorrer do seu crescimento, tanto físicas como psicológicas, e isso claro que reflete no mercado de trabalho. Temos crianças que ainda na barriga da mamãe fazem trabalhinhos voltados ao mercado de gestantes, a mamãe que aparece, temos crianças que ainda na fase baby, são  solicitados para trabalhos voltados a fraldas, produtos direcionados a eles e mamãe, porém é uma fase que eles mudam muito e estão ainda descobrindo o mundo na qual  vive, mostrando que até os 4 anos torna-se menor oportunidades de trabalho. Quando entram em sua fase mais lúdica que classificamos dos 4 aos 10 anos na qual a facilidade para atuar se torna mais facíl, por viverem mais um personagem em sua rotina do que o real, eles são mais solicitados, já falam, tem maior conexão com o mundo, são lúdicos, e ja entendem melhor os comandos e falas, os maiores que 6 anos já sabem ler e escrever normalmente, então temos ai a melhor fase do mercado mirim, porém sabemos que não é o bastante e nem determinante o sucesso em uma carreira artítica ainda pequenos.