Cultura

Estrelinhas Gêmeas Univitelinas: Sucesso em dose dupla e idênticas!

Modelo: Gêmeas Univitelinas Julia e Lavinia Nishida

Olhar para outra pessoa e ver que é sua cópia! Elas  são chamadas de irmãs univitelinas.  Isso ocorre porque quando há uma única fecundação,  formação de uma célula, que se chama zigoto que se divide e da origem a dois zigotos e forma duas pessoas independentes, porém muito parecidas.

Acima vimos na imagem duas mini modelos Gêmeas Univitelinas lindas, que esperamos terem muito sucesso, igualmente as Gêmeas  que iremos citar na matéria, que vocês já devem conhecer devido a fama positiva e a carreira de sucesso ao longos dos anos, e que também começaram muito cedo.

As gêmeas Olsen iniciaram sua carreira de atrizes aos 9 meses de idade na série de televisão Full House, na qual se revezavam no papel da Michelle Tanner. Como os produtores não queriam que os telespectadores soubessem que o papel era feito por gêmeas, as irmãs foram, inicialmente, creditadas como “Mary Kate Ashley Olsen”, só mais tarde foram creditadas separadamente. O programa foi muito popular no mundo todo nos anos 80 e no começo dos anos 90.

Logo após o fim da série, elas atuaram em mais duas séries de televisão, “Dose Dupla”, em 1998/1999, e “Gêmeas em Apuros”, em 2001/2002, e inúmeros filmes foram produzidos por sua própria empresa, a Dualstar, além de um desenho animado intitulado “Mary-Kate and Ashley in Action”. Atraíram milhares de crianças e adolescentes no mundo, e tiveram seus nomes e imagens estampados em roupas, perfumes, revistas, posteres, filmes, vídeo-games, série de livros etc.

Em 2004, as gêmeas atuaram no seu último trabalho juntas, o filme “No Pique de Nova York”, em seguida surpreenderam ao anunciarem que iriam entrar para a faculdade depois de terminarem o secundário e, com isso, ficariam um tempo de fora da TV. A maioria dos jovens atores escolhem atuar em tempo integral depois do secundário, poucos continuam os estudos, (é o caso de Brooke Shields, Jodie Foster, e Natalie Portman, por exemplo). Ambas estudaram na New York University no Gallatin School of Individualized Study, até que Mary-Kate deixou a universidade e voltou para California. Ela decidiu ficar na Costa Oeste e procurar trabalho individual com sua empresa, a DualStar;

matéria: https://pt.wikipedia.org/wiki/Mary-Kate_e_Ashley_Olsen

 


Piercings e tatuagens chamativas: a mais recente moda é a pele que envolve seu corpo!

A contínua apropriação deste antigo tabu por estilistas e celebridades sugere que o piercing tem feito incursões mais profundas não só entre os cidadãos comuns, mas também entre uma elite endinheirada. Uma das coisas mais polarizadoras em Manhattan nesta primavera foram as vitrines na da Barneys New York, na Madison Avenue, expondo uma série de manequins. Eram sósias de modelos reais que participaram do desfile de moda masculina da Hood by Air em janeiro, incluindo suas tatuagens elaboradas e apliques exóticos distorcendo seus sorrisos.

Numa semana recente os transeuntes não desgrudavam os olhos do local, com dificuldade para entender a cena, uma combinação curiosa de teatro de rua e moda pornográfica. “Obviamente isto foi trabalho de um artista”, disse Paul Roberts, turista de Edimburgo. “Vai além da simples montagem de uma vitrine, não acha?”

Mas para Claudia Brien, jovem mãe de Upper East Side, o espetáculo era “mais do que repugnante”. “Passo por aqui sempre, mas mudo meu caminho para manter meus filhos afastados.”

Ame ou odeie, o fato é que as vitrines, os manequins, lábios em círculo com chupetas adornadas com pedras preciosas, “pele” elaboradamente tatuada, viraram uma atração. Com certeza, testemunha do fascínio cada vez maior pela modificação corporal para chamar a atenção ao extremo: tatuagens por todo o corpo, implantes sob a pele, piercing, estiramento, marcas no corpo, entre outros.

Shayne Oliver, a principal força criativa dentro do Hood by Air, foi ágil em explorar esse fascínio. De uma peça com suas colaborações musicais dentro e fora da passarela, as vitrines constituíram uma provocação calculada, em sintonia, como ele afirma, com “a linguagem da extravagância, do exagero”.

Ao mesmo tempo, as vitrines “abriram uma porta aberta a um diálogo interessante” disse Dennis Freedman, diretor criativo da Barneys. “Você começa a se familiarizar com algo que à primeira vista parece aterrador. Mas suspeito que, com o tempo, as pessoas se habituam”.

Como se costuma dizer, o olho se adapta. Os piercings no rosto e no corpo, alargadores dos lóbulos das orelhas, apliques dentais e pintura tribal eram outrora domínio de uma denominada subcultura subversiva ou pervertida. Modificações do corpo extremas, uma prática tão generalizada em alguns círculos a ponto de ser considerada movimento, foram profusamente documentadas em livros como o “Modern Primitives”, bíblia da modificação corporal de 1989.

Inspirado por Fakir Musafar, um artista especializado em performances e um dos principais proponentes do movimento primitivo moderno, o livro está repleto de fotos de Musafar refazendo o contorno da sua cintura e extremidades com faixas de metal apertadas, ou pendurado em uma árvore com ganchos usados em açougues. O livro possui imagens também de Leo Zulueta, artista da tatuagem com um ostentoso emblema que acentua os contornos das suas costas.

As tatuagens e piercings muito expostos, que ressurgiram no início dos anos 90 como insígnia de rebeldia dos orgulhosos contestadores da sociedade, hoje vêm sendo adotados em locais inconcebíveis.

“Estamos vendo muitas pessoas que provavelmente nunca entraram num estúdio de piercing”, disse Miro Hernandez, porta-voz da Association of Professional Piercers e sócio do Dandyland, estúdio de piercing em San Antonio. “São empresários, médicos, enfermeiras e professores com maior discernimento sobre o que buscar e o que escolher”.

Na verdade a contínua apropriação deste antigo tabu por estilistas de moda, celebridades e cidadãos comuns sugere que o piercing tem feito incursões mais profundas não só entre os cidadãos comuns, mas também entre uma elite endinheirada.

“Numa era de excessivo individualismo, as marcas e modificações que fazemos no corpo não são vistas como sinal de excentricidade ou outras tendências, mas como uma expressão do gosto pessoal”, escreveu Christine Rosen, historiadora cultural, na The Hedgehog Review, revista de crítica cultural. Rosen chega a sugerir que modificar a pele que envolve seu corpo se tornou um tipo de lazer que não é mais estranho do que, digamos, fazer uma aplicação de botox.

“Hoje a resposta à pergunta porque uma pessoa se tatua é como ‘semana de férias na primavera’, comparada com a que era dada pelas gerações anteriores, ou seja, ‘eu estava numa prisão’”, escreveu ela.

Ninguém, é claro, dirá que as mães de família dos bairros mais ricos estarão assediando seus dentistas para colocarem um aplique na boca logo mais. Mas muita coisa sugere que há uma maior aceitação de artes mais sutis de modificação do corpo: argolas no septo reais e falsas, alargadores de orelha, “mangas” tatuadas nos antebraços.

A moda certamente influiu: no desfile de primavera 2016 de Givenchy as orelhas das modelos estavam incrustadas de cristais e studs, os rostos cobertos por joias coladas na face, contas e renda. Na Rodarte, as sobrancelhas das modelos estavam adornadas com minúsculos arcos, ao passo que as modelos no desfile de Dries Van Notem usavam luvas longas e justas reproduzidas por meio de estêncil com desenhos como se fossem tatuagens.

Depois temos as celebridades: Rihanna e FKA Twigs, nas capas de revistas de moda: Kendall Jenner, que usou uma argola no nariz do tamanho de um dólar de prata no festival Coachella em 2014; e Justin Bieber exibindo uma nova cruz tatuada sob o olho esquerdo em seu feed no Instagram.

Essas alterações sutis no corpo valem “para todo tipo de pessoa, seja modelo ou barista no Starbucks”, disse JonBoy, artista que faz as tatuagens de Justin Bieber. “É como usar um acessório e parecer elegante, sofisticado e sexy ao mesmo tempo”.

Outro dia Catherine Hay, especialista em comunicações e marketing, de 45 anos, que tem uma clientela empresarial, passou algumas horas deitada numa mesa de cirurgia no salão de piercing End is Near, no Brooklyn. Depois de refletir alguns meses, ela decidiu colocar um piercing no umbigo. “Pode parecer superficial, mas pratico Pilates e acho que um piercing no umbigo vai ficar bonito quando estiver me exercitando.”

Craig Rodrigues, proprietário do estúdio End is Near e Hand of Glory falou num programa de rádio no início dos anos 1990 como o piercing estava se tornando comum. Nesta semana ele lembrou: “era popular na época. Mas conhecendo o que faço agora, acho que subestimamos o seu impacto.”

Rodriguez, que vende joias a preços que vão de US$ 60 a US$1.500 por uma peça sob encomenda, em breve vai se aventurar em Midtown Manhattan, se expandindo para lojas de luxo. Em junho, em colaboração com Sydney Evan, joalheria com sede em Los Angeles, ele oferecerá sua expertise para os clientes da Bergdorf Goodman.


AFINAL, O QUE É SER UMA MULHER EMPODERADA?

Os 7 Princípios de Empoderamento das Mulheres são as bases conceituais das atividades e conteúdos programáticos do Movimento Mulher 360.

Os Princípios de Empoderamento das Mulheres (WEPs) são um grupo de Princípios para o meio empresarial que oferecem orientação sobre como delegar poder às mulheres no ambiente de trabalho, mercado de trabalho e na comunidade. Eles são o resultado de uma colaboração entre a Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e Empoderamento das Mulheres (ONU Mulheres) e o Pacto Global das Nações Unidas.

Os Princípios enfatizam o caso de negócio de ação corporativa para promover a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres, e se baseiam em práticas de negócios e insumos da vida real colhidos do mundo todo. Os Princípios de Empoderamento das Mulheres buscam apontar a melhor prática, trabalhando com a dimensão de gênero da responsabilidade, do Pacto Global da ONU e o papel do meio empresarial no desenvolvimento sustentável. Além de ser um guia útil para as empresas os Princípios procuram subsidiar outros stakeholders, incluindo os governos, em seu envolvimento com o meio empresarial.

  1. LIDERANÇA: Estabelecer uma liderança corporativa de alto nível para a igualdade entre gêneros;
  2. IGUALDADE DE OPORTUNIDADE, INCLUSÃO E NÃO DISCRIMINAÇÃO: Tratar todos os homens e mulheres de forma justa no trabalho – respeitar e apoiar os direitos humanos e a não discriminação;
  3. SAÚDE, SEGURANÇA E FIM DA VIOLÊNCIA: Assegurar a saúde, a segurança e o bem estar de todos os trabalhadores e trabalhadoras;
  4. EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO: Promover a educação, a formação e o desenvolvimento profissional para as mulheres;
  5. DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL E PRÁTICAS DA CADEIA DE FORNECEDORES: Implementar o desenvolvimento empresarial e as práticas da cadeia de abastecimento e de marketing que empoderem as mulheres;
  6. LIDERANÇA COMUNITÁRIA E ENGAJAMENTO: Promover a igualdade através de iniciativas comunitárias e de defesa;
  7. ACOMPANHAMENTO, MEDIÇÃO E RESULTADO: Medir e publicar relatórios dos progressos para alcançar a igualdade entre gêneros.

SELFIE, SELFIE MEU

Considerado por muita gente um hábito narcisista, tirar foto de si mesmo seja com uma câmera fotográfica convencional ou com um smartphone parece uma tendência que veio para ficar nas redes sociais. Depois do famoso selfie que o ator Bradley Cooper tirou na noite do Oscar, derrubando temporariamente o Twitter, com o recorde de mais de 2,5 milhões de retweetsselfie, sem dúvida, se tornou palavra corriqueira no nosso vocabulário.

Aliás, essa já era uma tendência anterior à foto em que aparecem também Meryl Streep, Julia Roberts, Lupita Nyong’o, Jennifer Lawrence, Ellen Degeneres, Angelina Jolie, Brad Pitt e Kevin Spacey, como mostra o Oxford English Dictionary, que elegeu selfie “a palavra do ano” em 2013. Mas afinal, o que o selfie pode revelar sobre o autorretratado?

O projeto SelfieCity funciona na linha “mostre-me teu selfie e te direi quem és”. O objetivo é descobrir traços culturais de uma cidade e o comportamento de seus moradores analisando esse tipo de foto. A equipe do SelfieCity coletou, ao todo, 656 mil fotos do Instagram vindas das cidades de Nova York, Bangkok, Moscou, Berlim e São Paulo, tiradas em dezembro de 2013.

Deste total, foram selecionados apenas os selfies, algo em torno de 3 mil fotos. Depois de analisar dados como a inclinação da câmera na hora do clique e se os retratados sorriem ou não, o levantamento chegou a algumas conclusões curiosas. Por exemplo:


O selfie de todos os selfies

Mulheres tiram mais selfies que os homens – Em todas as cidades analisadas, o número de mulheres que se fotografam é maior que o de homens. Em Moscou, na Rússia, essa proporção chega a 82%. A cidade onde o índice de homens e mulheres é mais próximo é Bangkok, na Tailândia, com 55%. No Brasil, a cidade escolhida foi São Paulo, onde as mulheres chegam a 65%.

Elas são mais ousadas – Segundo a pesquisa, as mulheres tendem a tirar fotos mais sensuais do que os homens. Em São Paulo, a tendência é ainda mais acentuada: as paulistanas querem enquadrar não só seus rostos, mas também seus corpos nos selfies.

A maior parte dos selfies é feita por jovens – Eles têm em média 23 anos. Em Bankcok, são mais novos, 21 anos. Já em Nova York, mais velhos, 25 anos.

Os mais sorridentes estão em São Paulo – Os moradores de Sampa só perdem em sorriso para o pessoal simpático de Bangkok.

Os menos sorridentes estão em Moscou – Junto com os moscovitas, no quesito cara séria os moradores de Berlim estão ali, ali.

Fonte: Bayer Jovens


O USO INDEVIDO DE APARELHOS TELEFÔNICOS NO TRÂNSITO

Todos os anos vimos no Brasil o aumento do índice de acidentes de trânsito onde um dos condutores de um ou mais veículos envolvidos estava sobre efeito de álcool. Isso representa uma das causas pela qual o governo vem lançando campanhas de conscientização com foco no slogan “se beber não dirija”.
Dentre as alterações de comportamento presentes na direção perigosa destaca-se a perda de reflexo e o poder do tempo de reação a situações adversas. Essas alterações estão relacionadas não só ao consumo de bebidas, mas também ao uso indevido do telefone celular, principalmente o smartphone.
O celular basicamente nos acompanha em todos os lugares, e nas mais diversas situações. E se for um smartphone, a comunicação é potencializada, afinal, além de você conseguir enviar uma mensagem, compartilhar fotos, textos, também consegue realizar o pagamento de contas, conversar por vídeo chamadas e etc.
O smartphone é um aparelho poderoso de tecnologia e facilidade de comunicação, entretanto, oferece riscos ao dividir a sua atenção com a condução no trânsito. Pesquisas realizadas pelo Departamento de Trânsito dos Estados Unidos, apontam que digitar no smartphone simultaneamente ao ato de dirigir aumenta em 23 vezes o risco de acidentes, e uma ligação durante a condução deixa o(a) motorista 6 vezes mais exposto(a) ao perigo. Além disso, usar algum dispositivo móvel ao volante acarreta no aumento de até 400% o risco de acidente.
A Faculdade de Engenharia Industrial (FEI) de São Paulo, constatou que a distração ao olhar o smartphone dura, em média, 23 segundos, ou seja, se o veículo se movimentar a 60km/h, o(a) motorista percorrerá 380 metros às cegas. Já se o carro estiver a 100km/h serão cerca de 640 metros percorridos sem olhar para a estrada. A cada 2 tecladas no aparelho celular, pelo(a) motorista, resultarão em 2 segundos sem olhar para a via. Através disso, boa parte dos(as) condutores(as) têm o hábito de digitar, olhar para a estrada e voltar a digitar, porém perdem um tempo essencial de atenção, reação e frenagem.
De acordo com a operadora AT&T, 61% dos(as) motoristas têm costume de enviar mensagens enquanto estão dirigindo, 28% procuram informações na internet e 12% gravam vídeos. Conforme um estudo do Hospital Samaritano, em São Paulo, 80% dos(as) motoristas admitem que usam o celular ao volante e 8% desejam mudar este comportamento.
Percebeu como aquela olhadinha para o celular, digitar a mensagem, olhar para a frente, digitar novamente pode representar um perigo para a sua vida e a de todos que estão com você no veículo? Lembre também dos(as) pedestres.
Preste atenção nesses detalhes e cuide de sua segurança ao volante!

 


A origem do ovo de páscoa

Na Páscoa, a celebração da morte e ressurreição de Cristo serve como um momento especial para que os cristãos reflitam sobre o significado da vida e do sacrifício daquele que fundou uma das maiores religiões do mundo. Contudo, muitos não conseguem visualizar qual a relação existente entre essa celebração de caráter religioso com o hábito de se presentear as pessoas com ovos de chocolate.

Para responder a essa pergunta, precisamos voltar no tempo em que o próprio cristianismo estava longe de se tornar uma religião. Em várias antigas culturas espalhadas no Mediterrâneo, no Leste Europeu e no Oriente, observamos que o uso do ovo como presente era algo bastante comum. Em geral, esse tipo de manifestação acontecia quando os fenômenos naturais anunciavam a chegada da primavera.

Não por acaso, vários desses ovos eram pintados com algumas gravuras que tentavam representar algum tipo de planta ou elemento natural. Em outras situações, o enfeite desse ovo festivo era feito através do cozimento deste junto a alguma erva ou raiz impregnada de algum corante natural. Atravessando a Antiguidade, este costume ainda se manteve vivo entre as populações pagãs que habitavam a Europa durante a Idade Média.

Nesse período, muitos desses povos realizavam rituais de adoração para Ostera, a deusa da Primavera. Em suas representações mais comuns, observamos esta deusa pagã representada na figura de uma mulher que observava um coelho saltitante enquanto segurava um ovo nas mãos. Nesta imagem há a conjunção de três símbolos (a mulher, o ovo e o coelho) que reforçavam o ideal de fertilidade comemorado entre os pagãos.

A entrada destes símbolos para o conjunto de festividades cristãs aconteceu com a organização do Concilio de Niceia, em 325 d.C.. Neste período, os clérigos tinham a expressa preocupação de ampliar o seu número de fiéis por meio da adaptação de algumas antigas tradições e símbolos religiosos a outros eventos relacionados ao ideário cristão. A partir de então, observaríamos a pintura de vários ovos com imagens de Jesus Cristo e sua mãe, Maria.

No auge do período medieval, nobres e reis de condição mais abastada costumavam comemorar a Páscoa presenteando os seus com o uso de ovos feitos de ouro e cravejados de pedras preciosas. Até que chegássemos ao famoso (e bem mais acessível!) ovo de chocolate, foi necessário o desenvolvimento da culinária e, antes disso, a descoberta do continente americano.

Ao entrarem em contato com os maias e astecas, os espanhóis foram responsáveis pela divulgação desse alimento sagrado no Velho Mundo. Somente duzentos anos mais tarde, os culinaristas franceses tiveram a ideia de fabricar os primeiros ovos de chocolate da História. Depois disso, a energia desse calórico extrato retirado da semente do cacau também reforçou o ideal de renovação sistematicamente difundido nessa época.


Teatro: estreias de Novembro

As estreias aqui apresentadas se encontram no Teatro Iguatemi Campinas  disponíveis no mês de Novembro, confira a sinopse, valores e vendas de cada espetáculo.

  • 01/11

O melhor trabalho do mundo

No show “O melhor trabalho do mundo”, o humorista Renato Albani fala sobre acontecimentos de sua vida e pensamentos destorcidos e divertidos sobre coisas que acontecem normalmente na vida das pessoas. Fala sobre sua infância, seus fracassos no colégio, sua ida para São Paulo largando a profissão de engenheiro, sobre como decidiu ser humorista e porque considera esse o melhor trabalho que existe. O show tem duração de uma hora.

Valores:
Inteira: R$ 60,00
Meia-Entrada: R$ 30,00

  • 03/11

Boca de ouro

Boca de Ouro é um lendário bicheiro carioca, figura temida e megalomaníaca, que tem esse apelido porque trocou todos os dentes por uma dentadura de ouro. Também é conhecido como o Drácula de Madureira. Quando Boca é assassinado, seu passado é vasculhado por um repórter. Sua fonte é dona Guigui, a volúvel ex-amante do contraventor, uma mulher que, ao longo da peça, revela diferentes versões do bicheiro.

Valores:
Primeiro lote: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia-entrada)
Segundo lote: R$ 100 (inteira) e R$ 50 (meia-entrada).

  • 04/11

4 Amigos

Os comediantes Thiago Ventura, Dihh Lopes, Marcio Donato e Afonso Padilha, são amigos de longa data, e se juntam para realizar este espetáculo de Stand Up Comedy, de cara limpa, sem adereços e sempre com um convidado diferente e de referência no mercado. Os 4 se revezam no palco por cerca de 15 minutos cada, contando suas melhores observações do cotidiano e no final do espetáculo se reúnem no palco para contar assuntos pessoais um dos outros demonstrando o porquê são tão amigos. Com estilos diferentes, cada um com suas particularidades, o show “4 Amigos” tem todos os ingredientes que contagiam a plateia, trazendo problemas particulares para arrancar boas risadas.

Valores:

Inteira: R$ 70,00
Meia-Entrada: R$ 35,00

  • 17/11

Cada um com seus pobrema

A produção da comédia “Cada Um Com Seus Pobrema” perdeu as contas de quantas pessoas viram o espetáculo de 2004 a 2012. Nesta comédia-solo Marcelo Médici interpreta oito personagens hilários e surpreende com sua agilidade e talento de mudar radicalmente de expressão e voz.

Figuras já conhecidas do grande público como o corinthiano Sanderson (presente no programa Vai Que Cola do multishow), o último mico-leão-dourado do mundo, a vidente Mãe Jatira (famosos em vídeos no youtube e programas de TV), a apresentadora infantil Tia Penha entre outros fazem parte desse sucesso. Com uma linguagem moderna, humor inteligente e veloz, o espetáculo contagia o público, levando-o as gargalhadas do início ao fim.

No enredo o personagem central é um ator de teatro que ao desistir de fazer sua apresentação começa a falar sobre sua própria vida. Surgem então os demais personagens comentando e criticando com muito humor várias situações do cotidiano, garantindo a contemporaneidade do texto e causando uma identificação imediata no público.

Valores:

Inteira: R$ 90,00
Meia-Entrada: R$ 45,00

Vendas:

Bilheteria do Teatro: 3294-3166 (segunda a sábado das 10h às 22h | domingo das 12h às 20h)
Pela internet: www.ingressorapido.com.br

Para maiores informações acesse o site do Teatro Iguatemi Campinas, clique aqui.


Cinema: estreias de 02 à 09 de Novembro

Confira os trailers e sinopse  dos filmes que estão nas telas do cinema no começo do mês de Novembro. Dentre as categorias encontramos terror, drama, romance, comédia, documentários e muito mais.

  • 02/11

A Noiva

Nastya (Victoria Agalakova) é uma jovem mulher que viaja com seu futuro marido para a casa da família dele. Logo após chegar, ela percebe que a visita pode ter sido um erro terrível. Rodeada por pessoas estranhas, ela passa a ter visões horríveis à medida que a família do seu futuro esposo a prepara para uma tradicional cerimônia de casamento eslava.

Big pai, Big filho

Adam é um adolescente que sai em uma missão épica e ousada para tentar descobrir um mistério por trás de seu pai, que está sumido há muito tempo. Até que então ele descobre que seu pai não é ninguém mais, ninguém menos do que o lendário Pé Grande. Ele tem se escondido na floresta há anos para proteger a si mesmo e sua família de HairCo., uma grande corporação que quer fazer experimentos científicos com seu DNA especial. Enquanto pai e o filho começam a passar um tempojuntos, Adam logo descobre que ele também tem super poderes, além de sua imaginação.

Cidade dos sonhos

Um acidente automobilístico na estrada Mulholland Drive, em Los Angeles, dá início a uma complexa trama que envolve diversos personagens. Rita (Laura Harring) escapa da colisão, mas perde a memória e sai do local rastejando para se esconder em um edifício residencial que é administrado por Coco (Ann Miller). É nesse mesmo prédio que vai morar Betty (Naomi Watts), uma aspirante a atriz recém-chegada à cidade que conhece Rita e tenta ajudar a nova amiga a descobrir sua identidade. Em outra parte da cidade o cineasta Adam Kesher (Justin Theroux), após ser espancado pelo amante da esposa, é roubado pelos sinistros irmãos Castigliane.

Depois daquela montanha

Alex (Kate Winslet), uma jornalista que está indo preparar seu casamento, e Ben (Idris Elba), um doutor voltando de uma conferência médica, iriam pegar o mesmo avião, mas o voo é cancelado e os dois estranhos decidem fretar um jatinho. Durante a viagem o piloto sofre um ataque cardíaco e o avião cai em uma região montanhosa coberta por neve. Um romance começa a ganhar força enquanto eles tentam sobreviver, feridos e perdidos.

Deserto

Moises (Gael García Bernal) está viajando com um grupo de pessoas que tenta atravessar pela fronteira do México com os Estados Unidos, buscando uma nova vida no norte. No caminho eles se deparam com um solitário homem, Sam (Jeffrey Dean Morgan), que assumiu as funções da patrulha na fronteira em suas mãos racistas. Todos terão de achar um jeito de sobreviver nessa paisagem incrivelmente brutal antes do deserto consumi-los.

Dona Flor e seus dois maridos

A sedutora Dona Flor (Juliana Paes) é uma professora de culinária de Salvador. Ela é casada com Vadinho (Marcelo Faria), que morre, então ela acaba se casando novamente com o farmacêutico Teodoro (Leandro Hassum). Quando Vadinho volta em espírito, Dona Flor fica dividida do que fazer com os dois maridos.

Em busca de vingança

Um homem (Arnold Schwarzenegger) traumatizado busca vingança após ter perdido a esposa e o filho em acidente de avião causado por negligência de um controlador de tráfego aéreo (Scoot McNairy). Inspirado no acidente de Überlingen, no qual os passageiros eram em sua maioria crianças.

Gabriel e a montanha

Gabriel Buchmann (João Pedro Zappa) tinha um grande sonho: conhecer a África. Entretanto, mais do que visitar seus pontos turísticos ele desejava conhecer como era o estilo de vida do africano, sem se passar por turista. Desta forma, decide encerrar sua viagem ao mundo justamente no continente, onde se envolve com vários habitantes locais e recebe a visita da namorada, Cristina (Caroline Abras), que mora no Brasil. Prestes a retornar, seu grande objetivo se torna alcançar o topo do monte Mulanje, localizado no Malawi.

Historietas assombradas – O filme

Aos 12 anos, Pepe mora com sua avó, uma bruxa-empresária, e descobre que é adotado. Ao saber que seus pais estão vivos, ele parte em uma aventura para encontrá-los. O menino atrai a atenção de Edmundo, um vilão biomecânico que precisa da energia de crianças para se tornar imortal, que rapta a avó de Pepe. Desta forma, o garoto e seus amigos precisam resgatá-la o quanto antes, ao mesmo tempo em que Pepe busca solucionar o mistério do desaparecimento de seus pais.

O estado das coisas

Brad (Ben Stiller) possui uma carreira lucrativa e uma vida familiar feliz, mas isso não é o bastante. Ele está obcecado em ser o mais bem-sucedido entre os seus ex-colegas de escola, mas, durante um reencontro com um velho amigo, ele é forçado a ignorar seu sentimento de inferioridade e rever seus conceitos.

Terra selvagem

Cory (Jeremy Renner), caçador de coiotes e predadores traumatizado pela morte da filha adolescente, encontra o corpo congelado de uma menina em meio ao nada e decide iniciar uma investigação sobre o crime. Ao lado dele está uma agente novata do FBI (Elizabeth Olsen) que desconhece a região.

  • 05/11

Pokémon, o filme: Eu escolho você!

Ash Ketchum (Sarah Natochenny) acaba de completar 10 anos de idade. Isso significa que ele está pronto para se tornar um treinador de Pokémon. Agora, ele espera receber seu primeiro Pokémon, o Pikachu (Ikue Ôtani), que também será seu melhor amigo. Juntos, eles embarcam em uma jornada repleta de aventuras em busca do lendário Pokémon Ho-Oh.

  • 07/11

Pearl Jam: Let’s Play Two

O filme documenta o show da banda formada por Eddie Vedder, Jeff Ament, Stone Gossard e Mike McCready em Agosto de 2016, durante a comemoração da vitória do Chicago Cubs, em Wrigley Field. Além da exibição do concerto o filme traz imagens exclusivas dos integrandes do grupo nos bastidores.

  • 09/11

Amor e tulipas

Holanda, século XVII. O artista Jan van Loos (Dane DeHaan) é contratado para pintar o retrato do casal Sandvoort e imediatamente se apaixona pela jovem esposa do rico comerciante, Sophia (Alicia Vikander). Completamente envolvida no tórrido romance e cansada da existência infeliz ao lado do marido, ela decide fugir de casa para viver o amor.

Aqualoucos

O documentário aborda a trajetória de um específico grupo de palhaços conhecidos como “Aqualoucos” que faziam, diante do público, manobras arriscadas em piscinas e trampolins trajando apenas uma roupa de banho. A principal indagação do filme é investigar a razão que levava os artistas a performar de tal maneira, dado que o trabalho realizado nunca se converteu em renda.

Borg vs McEnroe

A preparação dos tenistas Björn Borg (Sverrir Gudnason) e John McEnroe (Shia LaBeouf) para a final de Wimbledon, em 1980. Enquanto o primeiro, sueco, tido como técnico e calculista, sofre a pressão de defender o título do torneio pela quinta vez consecutiva (um feito inédito); o segundo, norte-americano, vai ter que superar o próprio temperamento explosivo para mostrar que é capaz de chegar ao topo do mundo no esporte.

CineMagia: A história das vIdeolocadoras de São Paulo

Na época anterior ao streaming, as videolocadoras foram fundamentais para o início da experiência de assistir filme em casa. O documentário narra a história das videolocadoras de São Paulo, desde o seu surgimento até a superação dessa plataforma. Donos, funcionários, clientes, cinéfilos e críticos falam sobre a experiência de locar um filme.

Gosto se discute

Augusto (Cássio Gabus Mendes) é o chef de um restaurante requintado, estabelecido há anos, que está em baixa devido ao sucesso de um ex-pupilo, Patrick (Gabriel Godoy), que trabalha em um food truck bem na praça em frente ao estabelecimento. Devido à situação, o banco que também é sócio do restaurante indica a rigorosa Cristina (Kéfera Buchmann) para ser a nova gerente. Ela de imediato bate de frente com Augusto, já que deseja alterar a rotina do local de forma a torná-lo rentável. Só que, em meio à pressão em criar um novo cardápio, Augusto passa a ter uma rara síndrome que faz com que perca o paladar.

Invisível 

Buenos Aires, Argentina. Ely é uma jovem de 17 anos que vive com sua mãe, Susana, em um pequeno apartamento em um conjunto habitacional localizado no bairro de La Boca. Ela mantém uma relação distante com sua mãe e leva uma rotina pesada, se dividindo entre as atividades domésticas e o trabalho diário num pet shop. Tudo muda quando ela descobre que está grávida de Raúl, bem mais velho, casado e seu chefe. Consumida pela angústia, a jovem terá que fazer uma difícil decisão: fazer ou não um aborto.

No Intenso Agora

Documentário político que justapõe, através de imagens de arquivo, uma série de acontecimentos diferentes da década de 1960, como: a revolta estudantil em Paris, a Primavera de Praga em meio a dominação da União Soviética e a China de 1966 sob o regime de Mao, experienciado pela mãe do diretor na época.

O outro lado da esperança

Khaled (Sherwan Haji) fugiu da guerra na Síria e foi buscar asilo na Europa. Depois de percorrer vários países, solicita a permissão de estadia na Finlândia. Enquanto espera pela resposta, busca pela irmã, desaparecida, e consegue a ajuda de um pequeno comerciante, Wisktröm (Sakari Kuosmanen), que aceita empregá-lo em seu pequeno restaurante.
Olhando para as estrelas

Geyza é uma jovem como todas as outras, que batalha para vencer na vida. Professora e dançarina, ela é a primeira bailarina da Associação Fernanda Bianchini, a única escola de balé para cegos do mundo. Enquanto se divide entre os preparativos para o seu casamento e as preocupações de ser uma boa profissional, noiva e amiga, ela lida com Thalia, uma de suas alunas adolescentes, que deseja ter cada vez mais autonomia.

Para além da curva da estrada

O documentário mostra a realidade da vida dos caminhoneiros que passam a maior parte de suas vidas nas estradas brasileiras. A partir de entrevistas, o filme traz relatos emocionantes sobre o cotidiano vivido por esses profissionais nos quilômetros percorridos nas rodovias. Ao mesmo tempo, vemos refletida nas histórias, a diversidade do país e a paixão que os caminhoneiros tem pelas estradas.

Um perfil para dois

Pierre (Pierre Richard) é um viúvo aposentado que não sai de casa há mais de dois anos, e agora tem a chance de voltar a viver novamente com a ajuda da internet. Isso porque através de Alex, um homem contratado por sua filha para ensiná-lo a usar o computador, acaba criando um perfil em um site de namoro. Lá, conhece a linda jovem Flora (Fanny Valette), e decide marcar um encontro. Mas ele só tem uma problema: a foto que usou no perfil é de Alex, e não dele.

Uma verdade mais inconveniente 

Dez anos após “Uma Verdade Inconveniente” ter alertado sobre a necessidade da união entre países para tratar a crise iminente envolvendo o aquecimento global, Al Gore retorna ao tema para mostrar não apenas as consequências práticas da crise climática, mas também os avanços obtidos na obtenção de energia através de fontes limpas.

Vazante

Início do século dezenove. Em uma fazenda imponente e decadente, situada na região dos diamantes em Minas Gerais, brancos, negros nativos e recém-chegados da África sofrem com os conflitos e a incomunicabilidade gerada pela solidão e pelas tensões raciais e de gênero em um país que passa por um forte período de mudança.

*Breve filmes que estreiam no dia 16/11, 23/11 e 30/11.